Gotas de um Conto

Certa vez vi que Jiraya procurava no lixo de suas lembranças uma resposta a suas preces. Ele não se via com bons olhos aos quarenta, pois carregava os mesmos ‘demônios’ de sua juventude. E somado a isto, hoje se encontra quase sem cabelos, dentes amarelados e dedos fedidos por causa do cigarro; tem a pele do rosto estragada do barbear mau feito. Apesar de seu horror a morte, era com freqüência que pensava em dar fim a sua vida, estava claramente perdido, sem noção do porque estava vivo. Sentia-se desconfortável com qualquer verdade, mesmo assim queria crescer, se afastar da massa, excluir o conforto e com isso se preparar para o sofrimento. Sabia que tinha de superar o sexo, não ser mais vítima do poder delas [mulheres], ou seja, de sua própria luxúria e assim resgatar seu herói interior. E diante de tantas tarefas, Jiraya questionava se suas metas eram de fato suas, ou se aconteceram como um acidente. Era preciso decidir entre apropria-se ou não destas metas pra não tornar sua vida um acidente também.
Fatigado por estas questões, preferiu ir dormir e encarar outra realidade, um mundo de um sonho falante, que quem fala é a voz de sua consciência, de suas vontades. Um terreno em que criatividade e descoberta não precisam ser geradas na dor; onde perigo e mistério não carecem andar de mãos dadas. Neste mundo, o tempo não é mais um fardo e viver além dele não representa mais um desafio. Deveres não são mais um pretexto e nem uma cortina para o isolamento. Um lugar que dispensa ‘modos secretos’ de suportar a solidão e com isso não ter de se preocupar que seu corpo só seja descoberto pelo fedor, mas sim em meio alegria do convívio. Onde a melhor felicidade é realmente aquela que acontece e não a que poderia acontecer. E por se sentir tão bem acolhido neste [quase] novo mundo é que nosso amigo Jiraya resolveu nunca mais acordar.

2 Copos na Mesa:

Geiisa 27 de novembro de 2009 07:53  

"E por se sentir tão bem acolhido neste [quase] novo mundo é que nosso amigo Jiraya resolveu nunca mais acordar."

Gato, eu adorei.
Ficou triste, bonito e feliz ao mesmo tempo.
Sempre Jiraya.

Andrey 27 de novembro de 2009 12:31  

adorei o novo leayout

Postar um comentário

Numa garimpagem excêntrica, numa tentativa rústica de identificar o desnorteio (da psique) de um outrem que, em meio a confusão da dor, do ser, do vir e do está é que buscamos os melhores contos, histórias, realidades, fantasias, dramatizações, drasticidades e a honestidade do amargo, na qual somos complacentes do contexto ímpar, porém não único da vida de um HOMEM, de sua "catarse" sentimental diante de um balcão de bar.


Rodolpho Bastos
&
Tim Pires

Afinados

Tecnologia do Blogger.